domingo, 18 de dezembro de 2011

Ser Feliz ...........

Puedes tener defectos, vivir ansioso y estar irritado algunas veces,

pero no te olvides que tu vida es la mayor empresa del mundo.

Solo tú puedes evitar que esta vaya en decadencia.

Hay muchas personas que te precisan, admiran y te quieren.

Me gustaría que siempre recordaras que ser feliz

no es tener un ciclo sin temporadas, caminar sin accidentes,

trabajar sin cansancio, relaciones sin decepciones.

Ser feliz es encontrar fuerzas en el perdón,

esperanza en las batallas, seguridad en el palco del miedo,

amor en los desencuentros.

Ser feliz no es solo valorizar la sonrisa,

Sino también reflexionar sobre la tristeza.

No es apenas conmemorar el suceso,

sino aprender lecciones en los fracasos.

No es apenas tener alegría con los aplausos,

sino encontrar alegría en el anonimato.

Ser feliz es reconocer que vale la pena vivir la vida,

a pesar de todos los desafíos, incomprensiones y períodos de crisis.

Ser feliz no es una fatalidad del destino,

sino una conquista de quien sabe viajar para dentro de su propio ser.

Ser feliz es dejar de se víctima de los problemas

y volverse un actor de la propia historia.

Es atravesar un oasis en lo recóndito de nuestra alma.

Es agradecer a DIOS cada mañana por

El milagro de la vida.

Ser feliz es no tener miedo de los propios sentimientos.

Es saber hablar de si mismo.

Es tener coraje para decir “NO”.

Es tener seguridad para recibir una crítica, aunque sea injusta.

Es besar a los hijos, mimar a los padres,

Tener momentos poéticos con los amigos, aunque

Ellos nos hieran.

Ser feliz es dejar vivir a la criatura libre,

Alegre y simple que vive dentro de cada

Uno de nosotros.

Es tener madurez para decir

“ME EQUIVOQUE”

Tener sensibilidad para expresar

“TE NECESITO”

Es tener la osadía para decir “PERDONAME”

ES tener capacidad de decir “TE AMO”

Deseo que tu vida se vuelva un jardín de oportunidades

Para ser feliz...

Que en tus primaveras seas amante de la alegría.

Que en tus inviernos seas amigo de la sabiduría.

Y, cuando te equivoques en el camino, camines de nuevo.

Pues así serás cada vez más apasionado por la vida.

Y descubrirás que...

Ser feliz no es tener una vida perfecta.

Sino usar las lágrimas para regar la tolerancia.

Usar las pérdidas para refinar la paciencia.

Usar las fallas para esculpir la serenidad.

Usar los obstáculos para abrir las ventanas de la inteligencia.

Jamás desistas

Jamás desistas de las personas que amas.

Jamás desistas de ser feliz,

Pues la vida es un espectáculo imperdible.

Y ERES UN SER HUMANO ESPECIAL!




http://www.facebook.com/home.php#!/photo.php?fbid=2570643159870&set=a.2096565788232.111866.1667988185&type=1&theater

domingo, 4 de dezembro de 2011

O tempo e a razão !

O tempo é o senhor da razão. Só ele tem o poder de transformar nossas vidas e a nós mesmos. O tempo é algo que não volta, ou que ainda nem passou. O tempo passa como o vento e, quando se vê já se foi. A cada dia escrevemos uma página no imenso livro da vida. E nela depositamos todas as nossas esperanças e sonhos. As incertezas surgem assim como as linhas em nossas mãos. Devíamos deixá-las passar despercebidas, assim como deixamos o tempo passar sem que notemos ou nos importemos. Alguns dos rostos que passaram por nossas vidas fizeram história, outros deixaram apenas estória nela inserida. Alguns não passaram de meras lembranças, esquecidas pela memória através do tempo. O tempo é inexorável e muitas vezes cruel. Mas tudo tem seu tempo. O que tiver que ser, será!
Algumas pessoas tentam lutar contra o tempo. Mas o tempo quando bem vivido é tão belo, para quê mudá-lo? Há certas coisas que não podem ser mudadas. Há outras que deviam ter começado há muito tempo atrás. No tempo dos ancestrais, quiçá!
O tempo amadurece ou enlouquece. O tempo traz os segredos ocultos à tona. Os amores nunca declarados ou os já esquecidos, e até mesmo os desconhecidos. Ele traz a experiência como aliada. Não tente ir além do seu tempo. Paciência... Um dia você chegará lá!
Viva um dia de cada vez. Não queira pular o tempo como se pula corda. Alimente seus prazeres. Cuide bem de seu corpo e de sua mente.
Procure fazer tudo o que estiver em tempo. Relembrar os bons tempos da infância. Brincar de pega-pega, pique - esconde. Jogar vídeo-game com os amigos. Ler um livro num dia de chuva. Ou assistir: O Curioso Caso de Benjamin Button ( Por falar em tempo... ). Dançar... Há quanto tempo não faço isso!
Não se prenda aos tempos passados e nem inculque com os tempos que virão. Viva o presente, sem apagar da memória os bons momentos que se foram com o tempo

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Solidão

             A sensação da solidão passa,
assim como o inverno dá lugar à primavera.
            Você encontrará seu caminho para a felicidade, assim como uma planta encontra seu caminho em direção ao sol, crescendo, mudando e avançando.
            Quando nuvens de tempestade escurecerem seu mundo, lembre-se que a amizade lhe oferece um abrigo seguro onde você nunca está sozinho...
lá, encontrará bem-estar, apoio e compreensão.
             Os dias frios cinzas e solitários não duram para sempre... os pássaros sabem disso, e é por isso que eles cantam.
             Não desista, não admita sentimentos de fracasso; dúvidas vão e vêm, assim como as estações do ano... quando tudo o que é bom parece perdido, lembre-se que a vida é um círculo, e a esperança mora no horizonte.
             Se você sente o calor do sol em seu rosto, o cheiro da terra, o canto do pardal, então saiba que você é parte da natureza, com a sua própria singularidade, beleza e razão de ser.
             A vida não é sempre radiante, mas se o sol pode brilhar depois da pior
tempestade, nós também podemos.
             Não importa quão frio o vento, quão escuro o dia; há calor dentro de um coração repleto de amor e compreensão.
             A natureza nos oferece o calor do sol, o perfume das flores e o canto dos pássaros para nos fazer lembrar que não importa quão difícil a vida é; haverá sempre momentos de bondade, paz e oportunidade de crescimento.
             Alguns dias são melhores, outros, é melhor esquecer; mas assim que o anoitecer marcar o final do dia, pense nas coisas boas da vida, coisas inocentes e verdadeiras, e adormeça sonhando com a esperança que traz o
amanhã.
            Quando o vento frio soprar desânimo em seu coração e o mundo parecer rancoroso, seja paciente e perseverante, para que sempre voltem os momentos de bondade e amor.
            Busque o vento para o seu sonho, depois deixe seu coração voar livremente... com coragem, fé e firmeza, dê tudo de si.
            Cada dia que amanhece traz esperança e oportunidade de fazer os sonhos se tornarem realidade.
            Existe mágica na passagem do dia para a noite... assim como as cores que se desfazem no crepúsculo, trazendo esperança para um amanhã radiante.
             Você tem dentro de si mesmo energia para vencer... pode transformar um obstáculo em um degrau que o leve um passo adiante na realização de seu sonho.
            Se nós possuímos a habilidade de sonhar, o potencial de realizar sonhos também é nosso.
             Estabeleça um objetivo e mantenha-se em sua trilha; não deixe que os
infortúnios da vida o desviem de seu caminho... persistência, assiduidade e
trabalho árduo nunca ficam sem recompensa, e os sonhos realmente tornam-se  realidade.
             Para envelhecer bem, devemos continuar a sonhar, pois é a busca de sonhos que nos mantém jovens de coração.
             Reflita na vida sempre que possível; reserve tempo para recordar, e faça tempo para sonhar... encontre seu próprio caminho; vá com confiança e...
surpresas boas virão.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

O valioso tempo dos maduros

Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora.

Tenho muito mais passado do que futuro.

Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.

As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário-geral do coral.

'As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...

Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta comtriunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade,

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,

O essencial faz a vida valer a pena.

E para mim, basta o essencial!

O VALIOSO TEMPO DOS MADUROS

Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro.
Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas..
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam
poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram,
cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir
assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar
da idade cronológica, são imaturos.
Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo
de secretário geral do coral.
‘As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência,
minha alma tem pressa…
Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana,
muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com
triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua
mortalidade,
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Acreditar

Eu continuo acreditando nas pessoas, mesmo sabendo que um dia elas nos decepcionarão. Mas a verdade é que essas pessoas que nos decepcionam, já o fariam de qualquer maneira. Muitas vezes visualizamos a condição ideal para nós e colocamos muita "Fé" na pessoa, porém, desvios de conduta e até mesmo, erros na formação do caráter fazem com que as pessoas que acreditamos, nos decepcionem. A atitude mais sã é deixá-las seguir o caminho ao qual elas objetivam e fazer dessa experiência um marco para recomeçar a caminhada. As vezes o sofrimento não vale a pena. E como dizia o poeta : A dor é inevitável, porém o sofrimento é opcional. A dor lateja, aperta, machuca mais com o tempo passa. É melhor ver a vida como uma experiência diária em prol do aprimoramento. No final, nada levaremos, nem mesmo as lembranças.
Fica aí o desabafo !!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Eu acredito nas pessoas

Especialmente naquelas em que habita algo mais que a humanidade.
Aquelas que, às vezes, a gente confunde com anjos e outras entidades
divinas...
Falo daquelas pessoas que existem em nossas vidas e enchem nosso
espaço com pequenas alegrias e grandes atitudes...
Daquelas que te olham nos olhos quando precisam ser verdadeiras, que
tecem elogios, agradecem e pedem desculpas com a mesma simplicidade de
uma criança...
Pessoas que não precisam fazer jogos para conseguir o que buscam,
porque seus desejos são realizados por suas ações e reações, não por
seus caprichos...
Pessoas que fazem o bem e se protegem do mal, apenas com um sorriso,
uma palavra, um beijo, um abraço, uma oração...
Pessoas que atravessam as ruas, sem medo da luz que existe nelas, caminham
firmes e levantam a cabeça em momentos de puro desespero...
Pessoas que erram mais do que acertam, aprendem mais do que ensinam e
vivem mais do que sonham...
Pessoas que cuidam do seu corpo, porque este os acompanhará até o fim.
Não ficam julgando gordos ou magros, negros ou brancos...
Pessoas, simplesmente pessoas, que nem sempre têm certeza de tudo, mas
acreditam sempre. Transparentes, amigas, espontâneas, até mesmo
ingênuas...
Prefiro acreditar em relacionamentos baseados em confiança, serenidade,
humildade e sinceridade...
Prefiro acreditar naqueles encontros, que nos transmitem paz e um
pouco de gratidão...
Prefiro acreditar em homens e mulheres, que reverenciam a vida com a
mesma intensidade de um grande amor...
Que passam pela Terra e deixam suas marcas, suas lembranças, que
deixam saudades e não apenas rastros...
Homens e mulheres que habitam o perfeito universo e a perfeita ordem
nele existente...
Homens e mulheres de alma limpa e puros de coração.

By Júnior Pataxó

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Se eu morrer antes de você

Se eu morrer antes de você, faça-me um favor:
Chore o quanto quiser, mas não brigue comigo.
Se não quiser chorar, não chore;
Se não conseguir chorar, não se preocupe;
Se tiver vontade de rir, ria;
Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, ouça e acrescente sua versão;
Se me elogiarem demais, corrija o exagero.
Se me criticarem demais, defenda-me;
Se me quiserem fazer um santo, só porque morri, mostre que eu tinha um pouco de santo, mas estava longe de ser o santo que me pintam;
Se me quiserem fazer um demônio, mostre que eu talvez tivesse um pouco de demônio, mas que a vida inteira eu tentei ser bom e amigo...
E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim, diga apenas uma frase:
-"Foi meu amigo, acreditou em mim e sempre me quis por perto!"
Aí, então derrame uma lágrima.
Eu não estarei presente para enxugá-la, mas não faz mal.
Outros amigos farão isso no meu lugar.
Gostaria de dizer para você que viva como quem sabe que vai morrer um dia, e que morra como quem soube viver direito.
Amizade só faz sentido se traz o céu para mais perto da gente, e se inaugura aqui mesmo o seu começo.
Mas, se eu morrer antes de você, acho que não vou estranhar o céu.
"Ser seu amigo, já é um pedaço dele..."

Chico Xavier

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Amorosamente

Que Deus não permita que eu perca o ROMANTISMO,
mesmo eu sabendo que as rosas não falam.
Que eu não perca o OTIMISMO, mesmo sabendo que o futuro que nos espera não é assim tão alegre.
Que eu não perca a vontade de VIVER, mesmo sabendo que a vida é, em muitos momentos, dolorosa...
Que eu não perca a vontade de ter grandes AMIGOS, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas...
Que eu não perca a vontade de AJUDAR as pessoas, mesmo sabendo que muitas delas são incapazes de ver, reconhecer e retribuir esta ajuda.
Que eu não perca o EQUILÍBRIO, mesmo sabendo que inúmeras forças querem que eu caia.
Que eu não perca a VONTADE de amar, mesmo sabendo que a pessoa que eu mais amo, pode não sentir o mesmo sentimento por mim...
Que eu não perca a LUZ e o BRILHO no olhar, mesmo sabendo que muitas coisas que verei no mundo,
escurecerão meus olhos...
Que eu não perca a GARRA, mesmo sabendo que a derrota e a perda são dois adversários extremamente perigosos.
Que eu não perca a RAZÃO, mesmo sabendo que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas.
Que eu não perca o sentimento de JUSTIÇA, mesmo sabendo que o prejudicado possa ser eu.
Que eu não perca o meu forte ABRAÇO, mesmo sabendo que um dia meus braços estarão fracos...
Que eu não perca a BELEZA e a ALEGRIA de ver, mesmo sabendo que muitas lágrimas brotarão dos meus olhos e escorrerão por minha alma...
Que eu não perca o AMOR por minha família, mesmo sabendo que ela muitas vezes me exigiria esforços
incríveis para manter a sua harmonia.
Que eu não perca a vontade de doar este enorme AMOR que existe em meu coração, mesmo sabendo que muitas vezes ele será submetido e até rejeitado.
Que eu não perca a vontade de ser GRANDE, mesmo sabendo que o mundo é pequeno... E acima de tudo...
Que eu jamais me esqueça que Deus me ama infinitamente, que um pequeno grão de alegria e esperança dentro de cada um é capaz de mudar e transformar qualquer coisa, pois....
a vida é construída nos sonhos e concretizada no amor!
Francisco Cândido Xavier

domingo, 17 de julho de 2011

Feliz !!!!


"A princípio bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos. Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis. Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor? Ah, o amor... não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo.
Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar a luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista."

Mário Quintana

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Ao meu redor

Somente eu sei o que vai ao meu coração
Se olho para fora, só vejo as luzes da cidade e o vazio.
Se olho para dentro, vejo nada mais que mil faces estranhas.
Nada me acontece que não seja por que quero
Mas também, nada acontece quando não espero.
Estou entre mil e ao mesmo tempo entre nenhum
Ouço vozes, de repente........silêncio,
vejo olhos, de repente .........escuridão,
Sinto calor, de repente ........frio,
Sinto tudo, ao mesmo tempo......nada,
Amo, quando de repente .....estristeço,
Sorrio, de repente ...............entristeço,
Sei de tudo, mas ao mesmo tempo.............não sei de nada,
Escrevo, de repente ...............paro,
Sabe por quê ?...........
Estou pensando em você.


Poema escrito pela aluna do Curso Técnico de Segurança do Trabalho ( ER ) Aline Ramos.
Parabéns Aline

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Falar por Falar

É muito fácil dizer que a dor do outro está sendo superestimada, enfatizada demais, que é drama, exagero. Difícil é dar uma palavra de conforto a essa pessoa e se mostrar disposto a ajudá-la.


É fácil afirmar que problema mesmo é o que você está vivenciando, que isso sim é motivo para se estar triste, quando nem sabemos, realmente, pelo o que o outro está passando.

Julgamos, julgamos e julgamos. Mas quantas vezes procuramos saber o que realmente está se passando? Brigamos quando quem está ao nosso lado mais precisa é de carinho e atenção.

Exigimos, muitas vezes, a mudança no comportamento dos outros, mas é totalmente descartável a possibilidade de ser um pouco mais flexível e tentar adequar-se(só um pouco) a vontade das outras pessoas.

Ás vezes, faz-se necessário que deixemos o orgulho de lado e apenas , como um gesto de humildade, pedimos perdão. Não dói, não machuca e alegra os corações.

A resistência à mudança faz parte do ser humano. Somos resistentes por termos medo de mudar, de sair de nossa "zona de conforto", de ter que reaprender a fazer as mesmas coisas de maneira mais eficiente e produtiva.

Julgamos a todo o momento !! Independente de quais quer que sejam as circusntâncias. Julgamos pelo simples prazer de subjulgar as pessoas.

O tempo de cada um é diferente. As pessoas são únicas, são seres maravilhosos. Seres espirituais passando por uma experiência humana. Essa é a grande dificuldade de adaptar-se !

Sejamos flexíveis, humildes, mas acima de tudo, resilientes.
Desculpem o desabafo





Autor: Celso Pimentel / André Garcia

sexta-feira, 27 de maio de 2011

,,,,,,,,tinha suspirado !!!!!!

"... tinha suspirado, tinha beijado o papel devotamente! Era a primeira vez que lhe escreviam aquelas sentimentalidades, e o seu orgulho dilatava-se ao calor amoroso que saía delas, como um corpo ressequido que se estira num banho tépido; sentia um acréscimo de estima por si mesma, e parecia-lhe que entrava enfim numa existência superiormente interessante, onde cada hora tinha o seu encanto diferente, cada passo condizia a um êxtase, e a alma se cobria de um luxo radioso de sensações!

Ergueu-se de um salto, passou rapidamente um roupão, veio levantar os transparentes da janela... Que linda manhã! Era um daqueles dias do fim de agosto em que o estio faz uma pausa; há prematuramente, no calor e na luz, uma certa tranqüilidade outonal; o sol cai largo, resplandecente, mas pousa de leve; o ar não tem o embaciado canicular, e o azul muito alto reluz com uma nitidez lavada; respira-se mais livremente; e já se não vê na gente que passa o abatimento mole da calma enfraquecedora. Veio-lhe uma alegria: sentia-se ligeira, tinha dormido a noite de um sono são, contínuo, e todas as agitações, as impaciências dos dias passados pareciam ter-se dissipado naquele repouso. Foi-se ver ao espelho"  
Eça de Queiroz (  O primo Basílio - Transcrito )

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Reflexões sobre : Amizade

A amizade é um amor que nunca morre.
A amizade é uma virtude que muitos sabem que existe,
alguns descobrem, mas poucos reconhecem.
A amizade quando é sincera o esquecimento é impossível
A confiança, tal como a arte, não deriva de termos resposta para tudo, mas,
de estarmos abertos a todas as perguntas.
A dor alimenta a coragem. Você não pode ser corajoso se só aconteceram
coisas maravilhosas com você.
A esperança é um empréstimo pedido à felicidade.
A felicidade não é um prêmio, e sim uma conseqüência,
a solidão não é um castigo, e sim um resultado.
A felicidade não está no fim da jornada, e sim em cada curva do caminho que
percorremos para encontrá-la.
A gente tropeça sempre nas pedras pequenas, porque as grandes a gente logo enxerga.
A glória da amizade não é a mão estendida, nem o sorriso carinhoso, nem mesmo a delicia da companhia. É a inspiração espiritual que vem quando você descobre que alguém acredita e confia em você.
A infelicidade tem isto de bom: faz-nos conhecer os verdadeiros amigos.
A inteligência é o farol que nos guia, mas é a vontade que nos faz caminhar.
A maior fraqueza de uma pessoa é trocar aquilo que ela mais deseja na vida, por aquilo que ele deseja no momento.
A persistência é o caminho do êxito.
A pior solidão é aquela que se sente na companhia de outros.
A SOLIDÃO É UMA GOTA NO OCEANO QUE SÓ OLHA PARA SI MESMA... UMA GOTA QUE NÃO SABE QUE É OCEANO...
Amigos são a outra parte do oceano que a gota procura...
A tua única obrigação durante toda a tua existência
é seres verdadeiro para contigo próprio.
A verdadeira amizade deixa marcas positivas que o tempo jamais poderá apagar.
A verdadeira amizade é aquela que não pede nada em troca, a não ser a própria amiga.
A verdadeira generosidade é fazer alguma coisa de bom por alguém
que nunca vai descobrir.
A verdadeira liberdade é poder tudo sobre si.
Algumas pessoas acham-se cultas porque comparam sua ignorância com as dos outros.
Amigo de verdade é aquele que transforma um pequeno momento em um grande instante.
Amigo é a luz que não deixa a vida escurecer.
Amigo é aquele que conhece todos os seus segredos e mesmo assim gosta de você!
Amigo é aquele que nos faz sentir melhor e sobre tudo nos faz sentir amados...
Amigo é aquele que, a cada vez, nos faz entrever
a meta e que percorre conosco um trecho do caminho
Amigos são como flores cada um tem o seu encanto por isso cultive-os.
Amizade é como música: duas cordas afinadas no mesmo tom, vibram juntas...
Amizade, palavra que designa vários sentimentos, que não pode ser trocada por meras coisas materiais... Deve ser guardada e conservada no coração!!!
As pessoas entram em nossas vidas por acaso, mas não é por acaso que elas permanecem.
Celebrar a vida é somar amigos, experiências e conquistas,
dando-lhes sempre algum significado.
Diante de um obstáculo não cruzes os braços, pois o maior
homem do mundo morreu de braços abertos.
Elogie os amigos em público, critique em particular.
Errar é humano, perdoar é divino.
Evitar a felicidade com medo que ela acabe; é o melhor meio de ser infeliz.
Faça amizade com a bondade das pessoas, nunca com seus bens!
Felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente.
(Érico Veríssimo )

terça-feira, 17 de maio de 2011

Acredite em você !

Não importa do que é o mundo
O importante, são os seus sonhos…
Não importa o que você é
O importante é o que você quer ser…
Não importa onde você está
O importante é para onde você quer ir…
Não importa o porquê
O importante é o querer …
Não importa suas mágoas
O importante mesmo, são suas alegrias…
Não importa o que você já passou
O passado guarde na sua lembrança …
Não veja; apenas olhe…
Não escute; apenas ouça…
Não toque; sinta…
O mundo é um espelho;
não seja apenas um reflexo
Só acreditando no futuro você conseguirá a paz
para alcançar seu sonhos…
Afinal, o que importa ?
Você importa …

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Luz e Sombra

Recentemente ouvi o seguinte de uma professora minha: "Mesmo que caminhemos na direção da luz, a sombra sempre nos acompanhará; basta virarmos a cabeça um pouco para trás e a veremos". Isso que ela falou imediatamente me fez pensar que, apesar de informar algo óbvio, tem grande profundidade e convida a uma reflexão interessante se nos dispusermos a isso.

Mais do que falar do aspecto físico, de que sempre que formos para uma fonte de luz a sombra virá atrás de nós, podemos aplicar essas palavras a nossas vidas, de diferentes maneiras. Primeiramente, que sombra e luz, certo e errado, são companheiros inseparáveis, que habitam muito próximos um do outro, e nós, com o livre arbítrio que temos, podemos facilmente escolher entre um e outro.

Olhar para a sombra, por uns instantes, pode nos distrair um pouco do caminho da luz, mas isso não significa necessariamente que mudaremos de direção completamente. Associando luz com "correto", "bom", e sombra com "não tão correto", "não tão bom", é necessário perceber que, mesmo que estejamos sempre fazendo o possível para caminhar para a luz, a sombra está logo ali atrás de nós, possível, basta virarmos um pouco a cabeça e suas possibilidades se abrirão para nós. Na vida, muitas vezes olhamos para a sombra e vamos em sua direção porque a luz parece nos atrapalhar, cegar. Talvez, naquele momento, nossos olhos não estejam preparados para a luz. Porém, sabemos que poderemos voltar a seguir em sua direção quando nos sentirmos aptos ou desejarmos.

O fato de a sombra existir é natural e positivo. Ela serve para que tenhamos a referência do que é a luz. Sem sombra, como saberíamos que a luz... é a luz? O fato de a sombra sempre nos acompanhar a todos também nos faz lembrar que qualquer pessoa, por mais madura, sábia, correta, boa que seja sempre traz consigo a possibilidade da sombra, ou seja, de falhar, de cometer enganos, de agir de forma não muito positiva uma vez ou outra. Isso faz com que se saiba que todos podem errar. Quem nega a sombra que o acompanha erroneamente julga-se infalível, sabe-tudo, onipotente, e está muito enganado. Talvez esteja, até, indo em direção à sombra sem saber.

Nós, como seres humanos, precisamos entender que somo falíveis, mas que podemos acertar, também. Nenhum caminho é impossível de ser mudado, nenhuma rota é impossível de ser corrigida. Dentro de nós temos o bom e o mau, o certo e o errado, conceitos que variam, claro, de pessoa para pessoa, cultura para cultura, mas basicamente têm muito em comum em todas elas. E sabemos, no íntimo, defini-los. É só ouvir o que o eu verdadeiro fala. Pode ser bom algo que só nos faz sofrer durante muito tempo, por exemplo? Mesmo que pareça confortável, seguro, será que é realmente positivo?

Sempre que paro para refletir sobre algum assunto, invariavelmente entendo que as respostas vêm em grande parte de dentro de nós mesmos. Quando não, podemos procurá-las fora, em pessoas, fontes de informação ou ambientes possíveis para tanto. Mas, em grande parte, repito, as respostas estão dentro da gente. Por isso, a importância de conhecer-se bem, ouvir-se, respeitar-se. Entendendo o que a luz traz de bom para a gente, a possibilidade de enxergar com clareza sua beleza, a satisfação de andar num caminho claro e bonito, entendendo que o caminho da sombra é escuro, duvidoso, normalmente sofrido, mas que existe como referência e algumas vezes precisamos andar por ele para voltarmos ao caminho da luz mais decididos e fortalecidos. Que ninguém pense que está totalmente livre da sombra; você pode não olhar para ela, pode não ir em sua direção, mas ela está ali, lembrando-nos que somos seres humanos como os outros que existem neste planeta, nem melhores, nem piores. A sombra lembra-nos que ir para a luz é uma escolha pessoal, positiva.

A grande meta da vida é enxergar seu próprio caminho para a luz, que é a sua luz própria. Assim, você se torna um farol para si mesmo e para os outros que estão ao seu redor, se desejarem. Ver a própria luz nos faz enxergar a do outro e valorizá-lo, assim como ver a própria sombra nos faz ter a humildade de perceber que podemos falhar e que os outros também podem, sem que isso represente uma vergonha ou culpa eterna para alguém. A luz existe para todos, em todos. É um caminho sempre possível de ser seguido e retomado, mesmo que não hoje, mas amanhã, quem sabe? Está lá para o escolhermos.
soartigos.com/artigo/4354/luz-e-sombra/

terça-feira, 29 de março de 2011

MUNDURUKANDO - Livro novo de Daniel Munduruku



Professores são donos do conhecimento.
Educadores são mediadores.
Professores são profissionais do ensino.
Educadores fazem do ensino um estímulo para seu crescimento pessoal.
Professores usam a palavra como instrumento.
Educadores usam o silêncio.
Professores batem a mão na mesa.
Educadores batem o pé no chão.
Professores são muitos.
Educadores são Um.

 O educador tem os pés no chão, mas sua cabeça está sempre nas alturas, porque acredita que quem está à sua frente não é um cliente esperando para ser atendido, mas uma pessoa aguardando orientações para seguir seus passos. Essa é a razão de ser do educador. Essa é sua esperança. E, para tanto, o educador precisa ser inteiro, precisa ser completo, precisa estar em sintonia consigo mesmo e como o universo.
Daniel Munduruku nos apresenta, neste volume, ensaios, entrevistas, artigos e pensamentos que o têm transformado em um dos principais pensadores indígenas do Brasil.
Mundurukando é um verdadeiro passeio pela nossa alma ancestral.

http://danielmunduruku.blogspot.com/2011/03/mundurukando-livro-novo-de-daniel.html

domingo, 27 de março de 2011

Faxina na Alma

É um texto interessante que gostaria de compartilhar com vocês.

Não importa onde você parou, em que momento da vida você cansou.
Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo, é renovar as esperanças na vida e o mais importante, acreditar em você de novo.
Sofreu muito nesse período ?     Foi aprendizado
Chorou muito ?     Foi limpeza da alma
Ficou com raiva das pessoas ?   Foi para perdoá-las um dia.
Sentiu-se só por diversas vezes ?   É porque fechaste a porta até para os anjos.
Acreditou que tudo estava perdido ?   Era o início de tua melhora.
Pois é ......agora é hora de reiniciar, de pensar na luz, de encontrar prazer nas coisas simples de novo.
Um corte de cabelo arrojado, diferente ?
Um novo curso, ou aquele velho desejo de aprender.
Pintar, desenhar, dominar o computador ou qualquer outra coisa.
Olha quanto desafio, quanta coisa nova, nesse mundão de meu Deus te esperando.
Está se sentindo sozinho ?    Besteira
Tem tanta gente que você afastou com o "seu período de isolamento".
Tem tanta gente esperando, apenas um sorriso teu, para "chegar" perto de você.
Quando nos trancamos na tristeza, nem nós mesmos nos suportamos, ficamos horríveis, o mau humor vai comendo nosso fígado, até a boca fica amarga.
Recomeçar .................
Hoje é um bom dia para começar novos desafios.
Onde você quer chegar ?   Ir alto, sonhe alto.
Queira o melhor do melhor. Queira coisas boas para a vida.
Pensando assim, trazemos para nós aquilo que desejamos .....Se pensamos pequeno, coisas pequena teremos.
Já se desejamos fortemente o melhor e principalmente lutamos pelo melhor, o melhor vai se instalar na noss vida.
E é hoje o dia da faxina mental.
Joga fora tudo o que te prende ao passado, ao mundinho de coisas tristes.
Fotos, peças de roupas, papel de bala, ingressos de cinema, bilhetes de viagens e toda aquela tranqueira que guardamos quando nos julgamos apaixonados.
Jogue fora tudo.
Mas, principalmente, esvazie o seu coração, fique pronto para a vida, para um novo amor !
Lembre-se ! Somos apaixonáveis, somos sempre capazes de amar muitas e muitas vezes. Afinal de contas nós somos o "Amor".
Porque sou do tamanho daquilo que vejo, e não do tamanho da minha altura.


Carlos Drummond de Andrade




domingo, 6 de março de 2011

Curso de AutoCad

Incontinência Verbal - Os Três Crivos

Li esse texto no Blog de Gabriel Chalita e chamou-me a atenção  para realmente o que devemos falar, quando falar e porque falar.
As vezes precipitamos em dizer algo achando que estaremos agradando ou ajudando alguém. 

 

 

Os Três Crivos de Sócrates


    Somos responsáveis não apenas por nossos atos, mas também por nossas palavras. Parece evidente, mas o fato é que nem sempre damos a devida atenção ao que parece evidente. Envolver-se em fofocas, repassar informações sem conferi-las e dar corda a boatos é uma tentação a qual todos estamos expostos. Só que não há nada de inocente nisso. É assim que comprometemos a reputação dos outros e também a nossa. Uma boa forma de evitar essa armadilha é refletir sobre as palavras de Sócrates. O grande filósofo grego tinha um método imbatível para não se deixar envolver pelo perigo das redes de intrigas. Um dia, quando Sócrates conversava com seus discípulos em Atenas, um homem aproximou-se e, puxando-o pelo braço, lhe disse: - Precisamos conversar em particular. Tenho uma coisa urgente para lhe contar. Sócrates respondeu: - Espere um pouco. Você já passou isso que vai me dizer pelos três crivos? - Como assim? Que crivos? – Espantou-se o homem. - O primeiro é o crivo da verdade. Você tem certeza de que o que vai me contar é verdade? - Certeza não tenho, mas muita gente está falando, então... - Bem, se não passou pelo crivo da verdade, deve ter passado pelo da bondade. O que você está prestes a me dizer é algo bom, não? O homem hesitou. - Bom não é. Muito pelo contrário. - Se talvez não seja verdade, e com certeza não é bom, resta o terceiro crivo. Há alguma utilidade no que você quer me contar? O homem pensou um pouco. - Não sei bem, acho que não... - Neste caso, se sua história não é verdadeira, nem boa, nem útil, não perca seu tempo contando-a, pois nenhum proveito pode-se tirar dela -, disse o filósofo, encerrando a conversa.

Você conhece alguém que fala mais do que deve? Você fala mais do que deve?  Já se arrependeu de ter dito alguma coisa? Pois é, sofremos de incontinência verbal.
É antigo o ditado que nos lembra de que temos uma boca e dois ouvidos. Que devemos ouvir mais e falar menos. Mas isso não é fácil.
  Em momentos de briga, fala-se muita coisa desnecessariamente. Lembranças ruins do passado. Acusações bobas. “Nunca me esqueço! Faz 40 anos, mas eu nunca me esqueço de quando você me chamou de burra. Estávamos casados há um ano”. Ou ainda: “Eu o avisei, mais uma namorada que abandona você. Eu disse que as mulheres que o conhecem acabam indo embora. Só falo isso porque sou seu amigo”.
 Em uma mesa de conversa, sempre há aquele que ouviu alguma história e sem a menor preocupação com a verdade fala: “Eu ouvi dizer que fulano é caloteiro. Não quero ser injusto, não gosto de fofoca, mas me parece que ele não paga ninguém”.
 É atribuído a Sócrates um diálogo em que os seus discípulos vieram falar sobre a vida dos outros e ele perguntou, ensinando: “Vocês já passaram pelos três crivos antes de me contar?”  Os crivos são verdade, bondade e necessidade. “É verdade? Vocês têm provas? É bom? Não vão magoar ninguém?  É necessário? Tem alguma coisa a ver com a vida de vocês ou com o bem público? E os discípulos se calaram, e Sócrates voltou a falar de filosofia.
 A palavra tem poder. Que esse poder seja usado para fazer o bem. Palavras ditas sem amor podem ferir.
 Que tal pensarmos antes de falar? Que tal fazermos a experiência do ouvir mais, para aprender, e falar apenas o necessário, para ensinar?
 Gabriel Chalita ( Revista Canção Nova – março de 2011)

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

LIMITES

Somos as primeiras gerações de pais decididos a não repetir com os filhos, os erros de nossos
progenitores...
...e com o esforço de abolirmos os abusos do passado...
...somos os pais mais
dedicados e compreensivos 
mas, por outro lado...
...os mais bobos e inseguros que já houve na história.
O grave é que estamos
lidando com crianças mais “espertas” do que nós, ousadas, e mais                  
“poderosas” que nunca !
Parece que, em nossa tentativa de sermos os pais que queríamos ser, passamos de um extremo ao outro.
Assim, somos a última geração de filhos que obedeceram a seus pais...
... e a primeira geração de pais que obedecem a seus filhos.
Os últimos que tivemos medo dos pais....
...e os primeiros que tememos  os filhos.
Os últimos que cresceram sob o mando dos pais...
E os primeiros que vivem sob o jugo dos filhos.
E, o que é pior...
...os últimos que respeitamos nossos pais...
...e os primeiros que aceitamos que nossos filhos nos faltem com o respeito
À medida que o permissível substituiu o autoritarismo, os termos das relações familiares mudou de forma radical...
...para o bem                                   
 e para o mal.
Com efeito, antes se considerava um bom pai, aquele cujos filhos se comportavam bem, obedeciam suas ordens, e os tratavam com o devido respeito.
E bons filhos, as crianças que eram formais, e veneravam seus pais, mas à medida em que as fronteiras hierárquicas entre nós e nossos filhos foram  se desvanecendo...
...hoje, os bons pais são aqueles que conseguem que seus filhos os amem, ainda que pouco o respeitem.
E são os filhos, quem agora, esperam respeito de seus pais, pretendendo de tal maneira que respeitem suas ideias, seus gostos, suas preferências e sua forma de agir e viver.
E que além disso, que patrocinem no que necessitarem para tal fim.
Quer dizer ;                                                     
os papéis se inverteram
Agora são os pais que têm que agradar a seus filhos para “ganhá-los” e não o inverso como no passado.
Isto explica o esforço que fazem  tantos pais e mães para serem os melhores amigos e “darem tudo” a seus filhos.
Dizem que os extremos se atraem.
Se o autoritarismo do passado encheu os filhos de medo de seus pais...
...a debilidade do presente os preenche de medo e menosprezo...
aos nos verem tão débeis e perdidos como eles.
Os filhos precisam perceber que durante a infância, estamos à frente de suas vidas, como líderes
capazes de sujeitá-los quando não os podemos conter...
... e de guiá-los, enquanto não sabem para onde vão...
É assim que evitaremos que as novas gerações se afoguem no descontrole e tédio no qual está afundando uma sociedade que parece ir à deriva, sem parâmetros nem destino.
Se o autoritarismo suplanta, o permissível sufoca.
Apenas uma atitude firme, respeitosa, lhes permitirá confiar em nossa idoneidade para governar suas vidas enquanto forem menores, porque vamos à frente liderando-os...
...e não atrás, carregando-os e rendidos às suas vontades.
Os limites    abrigam o indivíduo.

Com amor ilimitado  e  profundo respeito.
Mônica Monastério
( Madrid-Espanha ).

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Coração Novo - Gabriel Chalita

Estamos acostumados aos rituais, às comemorações, às celebrações. Quando um ano se encerra e outro se inicia, celebramos o dia da paz, a confraternização entre os povos. Quando um novo ciclo se inicia, somos convidados a renovar algo em nós. Quem sabe, neste novo ano, possamos ter um coração novo.
O coração é a metáfora dos sentimentos, das intenções. Um coração envelhecido é aquele que desistiu de amar, que não acredita na humanidade e que, consequentemente, se fecha. E é, por isso, solitário. A solidão pela ausência do amor envelhece o coração.
As desculpas para um coração envelhecido recaem nas decepções com as pessoas que amamos. Reclamamos dos erros dos outros, lamentamos as atitudes incorretas dos nossos irmãos e, assim, optamos pelo fechamento. Vivemos condenando nossa triste situação. Pais, filhos, amigos, parece que não há ninguém de valor ao nosso lado. Pensamos como seria bom se eles mudassem, se eles melhorassem.
No ano que passou, vivi momentos de muita emoção. Um deles ao lado do meu querido irmão Dunga. Eu fazia uma pregação em um grupo de oração em Presidente Prudente. Enquanto isso, ele compunha o refrão de uma música. A reflexão era sobre as mudanças que temos de fazer para que nosso irmão seja mais feliz.
E o refrão diz exatamente isso: Quem tem que mudar sou eu para que você seja mais feliz.
Eu escrevi o restante da música que fala em aprendizado, em perdão, em saber ouvir, em lembrar que não há ninguém perfeito. E que, talvez, precisemos do tempo da boa ingenuidade de volta, do sorriso leve, dos sonhos dos primeiros encontros.
O tempo pode ser uma boa escola. A tolerância, o respeito às limitações do outro e às nossas próprias limitações, a bondade no julgar. É uma lição de vida a reflexão de Madre Teresa de Calcutá:
Quem julga as pessoas não tem tempo para amá-las.
Às vezes, os pais exigem dos filhos algo que não podem dar. O inverso
é verdadeiro. E na relação entre o casal também. Cada ser é único. E talvez grande parte dos erros, dos equívocos, não sejam intencionais.
Meu irmão, não espere que o outro mude. Mude você. Diga à pessoa que você ama:
Quem tem que mudar sou eu para que você seja mais feliz.
E se precisar, complete com Madre Teresa: não vou perder tempo te julgando, quero gastar esse tempo te amando.
E é esse o convite para o novo ano. A consciência de que a sua família será melhor se você for melhor. Que o seu trabalho será melhor se você for melhor. Que o mundo, esse grande coração que pulsa, será renovado se o seu coração for renovado.
Feliz ano novo, feliz coração novo.
Gabriel Chalita
(Revista Canção Nova, jan.2011)

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Sinto Vergonha de Mim

O poema de Rui Barbosa, transcrito a seguir, é de uma impressionante atualidade.
Poderia ter sido escrito hoje sem mudar uma palavra...

Sinto vergonha de mim
por ter sido educador de parte desse povo, por ter batalhado sempre pela justiça,
por compactuar com a honestidade, por primar pela verdade
e por ver este povo já chamado varonil enveredar pelo caminho da desonra.
Sinto vergonha de mim por ter feito parte de uma era
que lutou pela democracia, pela liberdade de ser
e ter que entregar aos meus filhos, simples e abominavelmente,
a derrota das virtudes pelos vícios, a ausência da sensatez
no julgamento da verdade, a negligência com a família,
célula-mater da sociedade, a demasiada preocupação
com o "eu" feliz a qualquer custo, buscando a tal "felicidade"
em caminhos eivados de desrespeito para com o seu próximo.
Tenho vergonha de mim pela passividade em ouvir,
sem despejar meu verbo, a tantas desculpas ditadas
pelo orgulho e vaidade, a tanta falta de humildade
para reconhecer um erro cometido, a tantos "floreios" para justificar
atos criminosos,a tanta relutância em esquecer a antiga posição
de sempre "contestar", voltar atrás
e mudar o futuro.
Tenho vergonha de mim
pois faço parte de um povo que não reconheço,
enveredando por caminhos que não quero percorrer...

Tenho vergonha da minha impotência, da minha falta de garra, das minhas desilusões
e do meu cansaço. Não tenho para onde ir
pois amo este meu chão, vibro ao ouvir meu Hino
e jamais usei a minha Bandeira para enxugar o meu suor
ou enrolar meu corpo na pecaminosa manifestação de nacionalidade.

Ao lado da vergonha de mim, tenho tanta pena de ti,
povo brasileiro!
"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra,
de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus,
o homem chega a desanimar da virtude,
a rir-se da honra,
a ter vergonha de ser honesto".

Rui Barbosa

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Pensamento

Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas.

A GENTE SE ACOSTUMA

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.

A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos e não ver vista que não sejam as janelas ao redor. E porque não tem vista logo se acostuma a não olhar para fora. E porque não olha para fora, logo se acostuma e não abrir de todo as cortinas. E porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, se esquece do sol, se esquece do ar, esquece da amplidão.

A gente se acostuma a acordar sobressaltado porque está na hora. A tomar café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder tempo. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.
A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E não aceitando as negociações de paz, aceitar ler todo dia de guerra, dos números, da longa duração.
A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: “hoje não posso ir”. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisa tanto ser visto. 
A gente se acostuma a pagar por tudo o que se deseja e necessita. E a lutar para ganhar com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagará mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra. 
A gente se acostuma a andar nas ruas e ver cartazes. A abrir as revistas e ler artigos. A ligar a televisão e assistir comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos. 
A gente se acostuma à poluição, às salas fechadas de ar condicionado e ao cheiro de cigarros. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam à luz natural. Às bactérias de água potável. À contaminação da água do mar. À morte lenta dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinhos, a não ter galo de madrugada, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta por perto. 
A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta lá.
Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente só molha os pés e sua o resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito que fazer, a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem muito sono atrasado.
A gente se acostuma a não falar na aspereza para preservar a pele. Se acostuma para evitar sangramentos, para esquivar-se da faca e da baioneta, para poupar o peito.
A gente se acostuma para poupar a vida.
Que aos poucos se gasta, e que, de tanto acostumar, se perde de si mesma. 

Marina Colassanti

CORRER RISCOS


Rir é correr risco de parecer tolo.
Chorar é correr o  risco de parecer sentimental.
Estender a mão é correr o risco de se envolver.
Expor seus sentimentos é correr o risco de mostrar seu verdadeiro eu.
Defender seus sonhos e idéias diante da multidão é correr o risco de perder as pessoas.
Amar é correr o risco de não ser correspondido.
Viver é correr o risco de morrer.
Confiar é correr o risco de se decepcionar.
Tentar é correr o risco de fracassar.
Mas os riscos devem ser corridos, porque o maior perigo é não arriscar nada.
Há pessoas que não correm nenhum risco, não fazem nada, não têm nada e não são nada.
Elas podem até evitar sofrimentos e desilusões, mas elas não conseguem nada, não sentem nada, não mudam, não crescem, não amam, não vivem.
Acorrentadas por suas atitudes, elas viram escravas, privam-se de sua liberdade.

Somente a pessoa que corre riscos é livre!

Seneca
(orador romano)

sábado, 15 de janeiro de 2011

Novos Tempos !!!

Trago em meu peito, um coração amargurado. Coração que sofreu injúrias, humilhações e traições, mas mesmo assim, insiste em bater. Talvez, o fato desse coração ainda bater, reside na esperança de que as pessoas podem mudar suas atitudes, basta que elas queiram. Sou talvez uma das poucas pessoas que acredita que as pessoas podem mudar, se regenerar, voltar ao seu “eu” e recomeçar. Mas, o mundo atual cobra um preço caro de cada um. O estar na moda, a competitividade profissional tem transformado pessoas boas de coração em pessoas revoltadas; pessoas dignas em pessoas vulgares; pessoas honestas em nefastas. Mas, aqueles de caráter irrepreensível permanecem quase que invisíveis à sociedade capitalista e imoral. Convoco a esses homens e mulheres de toda faixa etária, que com dignidade sobreviveram a esses tempos difíceis, que clamem ao DEUS maior para que sua justiça prevaleça e seus anjos acampem ao redor de suas famílias dando-lhes sobre tudo paz para continuar a labuta no mundo atual. A recompensa, DEUS proverá.